Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Porquê eu?

por oficinadepsicologia, em 30.06.11

Autor: Francisco de Soure

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

 

Francisco de Soure

Esta é uma das perguntas que mais frequentemente ouvimos em consultório quando trabalhamos com alguém a debater-se com depressão.

 

É uma luta árdua, que se torna mais árdua ainda devido á profunda negatividade que encontramos em toda a gente que sofre desta perturbação. Algo que se torna particularmente difícil quando temos em conta que a maior parte das pessoas que sofrem de depressão tendem a sub-valorizar as suas experiências dolorosas por comparação com outras pessoas que, a seu ver, têm vidas bastante mais duras e difíceis. É frequente ouvir questões como “Se A, B ou C tiveram na sua vida momentos tão difíceis como um divórcio, um despedimento, a morte de alguém próximo ou uma doença prolongada, que moral tenho eu para estar assim?”. Os nossos cliente não conseguem encontrar resposta para esta questão, o que frequentemente reforça a sua percepção de si como fracos, ou falhados. Nós, psicólogos, também nos debatemos com esta questão.

 

Afinal de contas, o que torna determinados indivíduos mais propensos a serem afectados por depressão? O que faz com que pessoas com vidas aparentemente confortáveis deprimam e outras não? Claro está, existe um sem fim de hipóteses que na prática clínica vamos confirmando ou desmentindo. Em paralelo, continuamos a investigar em larga escala de forma a determinar, de forma inquestionável, quais os fatores que parecem tornar determinados indivíduos mais vulneráveis à depressão.

 

Na UCLA, na California, EUA, uma investigação recente acrescentou dados importantes à resposta a esta pergunta. Os investigadores concluíram que pessoas com experiências adversas em idades precoces (infância) têm tendência a ser menos resistentes a fatores de stress e, por conseguinte, mais vulneráveis  à depressão. Particularmente se estas experiências forem experiências de perda relacional, como um divórcio dos pais, ou o afastamento de um dos pais por período prolongado. A hipótese dos autores é que estas experiências poderão resultar na aprendizagem de expectativas e crenças fortemente negativas relativamente ao mundo. Reduzindo-se o fator esperança, torna-se mais provável o desenvolvimento do desespero tão característico da depressão. Em simultâneo, os autores concluíram que experiências anteriores de depressão também tornam mais provável o desenvolvimento futuro deste quadro, visto estarem também particularmente sensíveis ao stress. Assim sendo, acrescenta-se o nosso conhecimento relativamente às causas da depressão e reforça-se algo que já sabemos: uma gestão eficaz, cuidada e inteligente do stress pode ser fator decisivo na prevenção desta perturbação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:46


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D