Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A arte de brincar

por oficinadepsicologia, em 03.07.11

Autora: Fátima Ferro

Psicóloga Educacional/ Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

 

Fátima Ferro

As brincadeiras das crianças são, na maior parte das vezes formas de nos dizerem o que realmente sentem, expressando aquilo que têm dificuldade em colocar por palavras.

 

Ao brincarem imitam as rotinas de vida, transformam-se em super heróis mágicos e omnipotentes, para vencerem os medos e aflições que por vezes são representados por papões, inimigos e monstros debaixo da cama.

A fantasia que lhes permite voar, e irem para onde quiserem entre jogos de “faz de conta”, resolvendo problemas com golpes de magia,  tornando-se maiores do que aquilo que realmente são.

 

É a brincar que a criança percebe que quando se perde no jogo o mundo não se acaba, permitindo através de ensaios, o exercício do errar e voltar a tentar de novo, propondo um mundo do tamanho da sua compreensão.

Entender o significado que a criança dá à brincadeira é um caminho necessário para a conhecer, e todo o seu processo de desenvolvimento.

 

O brinquedo é a forma da criança se relacionar, de encontrar o mundo físico e social que a rodeia, sendo um sinal de bem-estar e saúde. Facilita o crescimento conduzindo aos relacionamentos grupais, podendo até ser uma forma de comunicação em psicoterapia.

 

As crianças brincam para procurarem prazer, para expressarem agressão, controlarem a sua ansiedade, estabelecerem contactos sociais, serem sensíveis aos sentimentos dos outros, para adquirirem vocabulário, para comunicarem aquilo que pensam e sentem, para aprenderem a interiorizar regras, a partilhar, etc.

A partir do brincar elas representam papéis e ampliam o ajustamento afectivo e emocional que atingem nessa representação.

 

Nós adultos poderemos contribuir para o reconhecimento do grande lugar que cabe à brincadeira sem obstruir nem adulterar a própria iniciativa da criança deixando-nos guiar pela imaginação delas, permitindo cadeiras que voam, árvores vermelhas, animais que falam, etc.

É importante evitar estruturar ou organizar as actividades com ordens e instruções, permitindo o livre expressar da criatividade e o verdadeiro “faz-de-conta”.

 

E em vez de lhes dizer “O que estás a fazer ?”, “Que forma tem ?”, “Mas as árvores não são vermelhas, são verdes e castanhas”, fazermos apenas o relato da brincadeira como se fossemos comentadores desportivos ”Estás a pôr o carro na garagem, e vais pôr gasolina”.

E se pretender ao mesmo tempo estimular algumas competências da criança, deixamos-lhe aqui algumas sugestões:

 

 

Competências Cognitivas:

Para promover competências escolares, estimular a concentração e cumprir instruções. Descreva os atributos dos objectos como as cores, as formas, o número, o tamanho, etc., enquanto brincam.

Ex: “Agora o lego quadrado está encaixado no lego rectangular”, “Agora o camião vermelho vai entrar na garagem verde”.

 

Competências Emocionais:

Enquanto a criança brinca, identifique e nomeie sentimentos, realce e comente o momento em que estão contentes, calmos, confiantes, zangados, etc.

Assim permitirá a expressão emocional da criança.

Ex: “Parece-me que estás muito contente a brincar com….”, “Tu estás a perdoar ao teu irmão porque sabes que foi sem querer”.

 

Resolução de Problemas:

Encoraje a criança a resolver as suas dificuldades, ou quando ela vem da escola e conta alguma dificuldade de um colega, pergunte-lhe se fosse com ela como resolveria.

E não caia na tentação de lhe encaixar aquela peça do lego ou do puzzle em que ela tem dificuldade, sugira antes que o façam os dois.

Ex:  “Isso é frustrante, mas tu manténs-te calmo e vais tentar de novo”.

 

Promoção de Comportamentos:

Dê atenção e elogie quando a criança brinca sossegada, e quando quer que ela repita um determinado comportamento mais vezes.

Ex: “Fico contente por estares a brincar tão sossegada”.

Se a criança durante a brincadeira tiver um comportamento inadequado tente ignorar e afaste-se, quando ela se voltar a portar bem então regresse.

Ex: Pode dizer: “Se atiras com os blocos, acabamos já de brincar”.

 

Terminar a brincadeira

Para que o terminar da brincadeira não se torne uma birra medonha, avise a criança com algum tempo de antecedência para que ela se possa preparar e terminar o que está a fazer. E sobretudo não ceda a protestos.

Ex: Algum tempo antes diga “Daqui a -----minutos tenho de deixar de brincar contigo, gostei muito.”

 

Brincar de uma forma flexível reduz a pressão nas suas interacções com os seus filhos e ajuda cada criança a tornar-se uma pessoa única, criativa e auto-confiante.

Por isso brinquem, mas brinquem muito.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:08



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D