Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Como não se perder no círculo crescente de contactos

por oficinadepsicologia, em 25.07.11

Autora: Irina António

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

 

 

Irina António
Irina António

Vivemos numa era em que a multiplicação diária de contactos, segundo investigadores na área social, nos deixa sobre aviso de ameaça à qualidade das relações que desenvolvemos em diversas esferas da vida. Todos estamos ligados a uma rede social que no caso de muitos de nós conta com centenas e centenas de pessoas. Paradoxalmente, este movimento desenvolve-se num contexto em que os valores individuais de auto-realização e de satisfação das necessidades pessoais estão, como nunca, solidamente instalados no espaço relacional.

 

Hoje sentimos o mundo à nossa volta mais próximo e acessível e, ao mesmo tempo, mais inconsistente e instável. Já não nos choca ideia que não podemos tomar por garantido o casamento, nem o lugar de trabalho e na procura de segurança atrevemo-nos a mergulhar numa rede infinita de relações. Pertencemos a uma vasta rede social e temos em troca uma possibilidade de satisfazer todas as necessidades básicas: emocionais, profissionais, relacionais: Amigos de infância, colegas de trabalho, médico de família, colega do ginásio, mãe do amigo do filho, colegas de trabalho do marido, senhor do café onde tomamos o pequeno almoço, são pessoas com quem muitas vezes tornamos bastante próximos…

 

 

Mas num belo dia pode acontecer que ao olhar para a lista telefónica onde lado ao lado convivem familiares, amigos e pessoas com que nos cruzamos nas férias ou numa reunião de trabalho…iremo-nos sentir só numa multidão que não transmite de todo uma sensação de suporte e de segurança, e a solidão começa a tomar conta do nosso espaço interno…

 

Em parte isto acontece porque nos envolvemos pouco e o espaço íntimo que se cria fica muito limitado pela funcionalidade do contacto. Arriscamo-nos pouco e preferimos contar as maiores intimidades às pessoas que nunca voltaremos a encontrar na nossa vida. O sociólogo francês Jean-Claude Kaufmann fala do nosso desejo de direccionar os nossos relacionamentos para os lados e não para o fundo, sendo que a necessidade de aproximação fica comprometida com o medo de estar “demasiadamente” ligado às pessoas e de perder o controlo. “Quanto mais se multiplicarem os nossos contactos, menos nos entregamos nestas relações”. Para reconquistar a intimidade nas relações precisamos de abrir e confiar nos próximos: “entre os nossos objectivos e os objectivos dos outros deve existir compatibilidade, precisamos de estar disponíveis para fazer o investimento na conquista dos objectivos uns dos outros ”, são palavras do psicólogo americano Mihaly Csikszentmihalyi.  

 

O segredo de como não se perder na multidão de contactos está na aproximação com alguém que parece connosco e com alguém que nos completa. Estas pessoas são “a nossa gente”e somos gratos por elas existirem na nossa vida.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:05


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D