Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Meu Filho não dá Trabalho

por oficinadepsicologia, em 08.12.12

Autor: Pedro Garrido

 

Psicólogo Clínico

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

 

Pedro Garrido

                                                                                       “O meu filho não dá trabalho nenhum”

 

Este tipo de verbalização quando estamos a falar de um adolescente pode ser sinal de alerta. Partindo do pressuposto que a adolescência é um período de ebulição, trazendo consigo uma serie de alterações na forma como o próprio vive a realidade, a não exteriorização destas características podem indicar algumas pistas para alguns problemas:

  • Podem ser indicadores de um défice a nível do desenvolvimento biológico, que pode ser identificado tanto por um atraso a nível do crescimento físico, um não surgimento da necessidade de utilizar desodorizante (que é com a libertação da hormona de crescimento que o adolescente passa a ter odor corporal mais intenso), uma continuação de utilização de uma linguagem mais infantil, uma estrutura da cara infantil (olhos muito grandes e mais próximos, o não desenvolvimento do queixo, etc) e um desenquadramento com crianças da mesma classe etária (ainda com recurso a brincadeiras baseadas na imaginação e recusa de convivo com colegas da mesma idade).
  • Por outro lado pode ser sintoma de uma depressão instalada, que tem início, em muitos dos casos, na 2 ª infância. O isolamento social é um dos indicadores de um estado depressivo, que identificado de forma precoce, o seu tratamento pode ser breve e com uma grande eficácia. Quando não identificado,e como é na adolescência que se organiza e estrutura a personalidade, pode ter como consequência um estado depressivo recorrente durante grande parte da sua vida.

Uma avaliação acaba por não ter um custo emocional e financeiro elevado e pode evitar problemas que podem assumir dimensões permanentes ou de um processo difícil de tratamento.

 

Já falou com o seu filho hoje?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:48

O efeito Genovese

por oficinadepsicologia, em 18.06.12

Autor: Pedro Garrido

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

Facebook

 

Pedro Garrido

Hoje gostaria de refletir com todos vós sobre uma consequência de se viver em sociedade, falando de uma forma de conformismo social denominado de Bystander effect ou The Genevose effect. É denominado de síndrome Genovese pois foi a partir do assassinato de Kitty Genovese que os investigadores se debruçaram sobre esta temática. O efeito espectador ou síndrome Genovese é um fenómeno social psicológico que se refere aos casos em que espectadores de situações de perigo ou violência não oferecem qualquer meio de ajuda em situação de emergência para a vítima quando  outras pessoas estão presentes. De facto, parece que quanto maior o número de espectadores, menos provável será que qualquer um deles vá ajudar.

Neste sentido, quando se dá o efeito de responsabilidade partilhada, a probabilidade de a pessoa individual agir diminui. Podemos através destes dados reflectir sobre a nossa atitude. Mesmo a nível da nossa vida pessoal isto pode ser sentido. Eis um exemplo explicativo: Quando vamos a conduzir e partimos do pressuposto que o outro condutor já nos viu não conduzimos de forma a certificar a nossa segurança. O problema levanta-se quando o outro condutor sente o mesmo. Quando deitamos um papel para o chão pensamos: “que mal faz um papel?”. Os outros também poderão pensar assim. Quando vemos um buraco na rua, assumimos “alguém já deve ter dado parte da situação”.

Gostaria de concluir isto com um desafio. Tem conduzido de forma segura? Tem feito a sua parte como cidadão? Ou espera que a mudança comece nos outros?

Quando abrimos mão da responsabilidade, abrimos mão do poder de mudar e decidir. Como quer fazer?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:22

Aprender novamente a viver

por oficinadepsicologia, em 07.10.11

Autor: Pedro Garrido

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

 

Pedro Garrido

Quando crescemos somos constantemente motivados a procurar e pensar num percurso de vida. Elaboramos planos e sonhos, que passam a ser para nós motores que nos puxam em direcção a um futuro que nos parece sorrir. O que fazer quando as circunstâncias de vida nos fazem parar e repensar um futuro alternativo. A Esquizofrenia é uma doença que afecta 1% da população mundial (OMS), e que surge normalmente entre os 18 e os 25 anos. Foi também verificado que quando mais precoce é o seu surgimento, mais grave são as suas consequências. Sendo que surge numa idade ainda de maturação da pessoa e de implementação de um projecto de vida, torna-se complicado sem apoio especializado, aprender a viver nesta nova condição.  Assim sendo o que fazer quando uma família se depara com esta problemática? Com a mudança da lei da saúde mental, permitiu estabelecer locais onde pessoas com um grau de incapacidade devido a esta doença pode começar a projectar um possível futuro. Podemos encontrar fóruns sócio-ocupacionais, que são espaços de horário laboral, nos quais os utentes podem adquirir competências que ainda não tinham conseguido ou perderam com o decorrer da doença. Existem também residências, onde vivem, com apoio especializado, que variam mediante o grau de incapacidade e empresas que foram criadas com o objectivo de integrar profissionalmente pessoas portadoras de doença mental.

 

Assim sendo o primeiro passo é contactar uma das várias IPSS (ex: ARIA, GIRA, AEIPS, etc) que trabalham com esta doença e solicitar a integração nos seus espaços ocupacionais. Depois da avaliação das competências a adquirir é elaborado um Programa Integrado de Reabilitação, no qual consta os diferentes objectivos (hábitos de higiene, competências pessoais e profissionais, adesão à medicação). O processo de integração profissional é um passo seguinte. No caso de haver necessidade residencial, visto que pessoas com esta doença puderam nunca ser totalmente autónomas, a integração em residências é uma possibilidade, e são várias as instituições que providenciam este serviço, sendo que assim as próprias famílias podem ter uma vida mais autónoma, podendo assim estabelecer relações mais saudáveis com os seus familiares. Estas instituições são comparticipadas pela Segurança social e assim os preços praticados são bastante razoáveis.

 

Hoje já é possível viver uma vida, mesmo sofrendo de esquizofrenia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:26


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D